terça-feira, dezembro 7, 2021

Últimas Postagens

preços de cortes de menor valor agregado disparam no Brasil

O adicional de custos registrado pelo segmento avícola neste ano e, especialmente, o ganho de mercado que a carne de frango obteve na comparação com proteínas concorrentes, como os cortes suínos e bovinos, vem trazendo um impacto nos preços pagos pelos consumidores. “Tal cenário não atinge apenas os cortes tradicionais de carne de frango, como coxa, peito, asas e outros, impactando também os de menor valor agregado, cujos preços dispararam ao longo de 2021”, explica o analista da Safras & Mercado, Fernando Iglesias.

Iglesias destaca que o quilo da carcaça temperada de frango era vendido no dia 4 de janeiro por R$ 7,75, chegando ao patamar de R$ 10,15 no último dia 11 de outubro, o que representa uma valorização de 30,97%. “O quilo do dorso de frango teve um aumento ainda maior, de 75,51% na mesma base de comparação, passando de R$ 2,45 para R$ 4,30”, sinaliza.

Outros cortes também tiveram expressiva valorização ao longo do ano com os pés de galinha, cujo valor do saco de um quilo a granel passou de R$ 3,50 para R$ 5 entre 4 de janeiro e 11 de outubro, subindo 42,86%. Para o pescoço, a valorização no preço do saco a granel chegou a 43,75% no acumulado do ano, passando de R$ 3,20, em 4 de janeiro, para R$ 4,60, no último dia 11 de outubro.

O analista ressalta que cenário diferente foi observado com alguns cortes de menor valor agregado do suíno, que tiveram recuo de preços entre 4 de janeiro e 11 de outubro. “O quilo da orelha suína passou de R$ 6,90 para R$ 6,60, com desvalorização no ano de 4,35%. Já o quilo do espinhaço suíno apresentou queda de 6,56% na mesma base de comparação, passando de R$ 6,10 para R$ 5,70”, pontua.

Na avaliação de Iglesias, um alívio nesse momento de altos preços para a carne de frango poderá surgir caso a pressão de queda no preço do boi gordo se prolongue por mais tempo. “Caso o cenário de queda nos preços do dianteiro bovino se mantenha, em meio ao embargo chinês à carne bovina brasileira, poderá haver reflexos no varejo, o que contaminaria as demais proteínas, trazendo um quadro de maior alívio nos preços ao consumidor final”, conclui.

VER MATÉRIA ORIGINAL

Latest Posts

Não Deixe de Ler